Banaque Bertol, entre os homenageados no Geração 60/70

                               Victor Bertol
                               Filho de Santo e Cezira  Bertol, hoje com 77 anos.
                                Natural de Cruz Alta – Rio Grande do Sul. Aqui chegou, em 1948 
                                Naquele mesmo ano, seus pais  compraram um terreno e uma serraria dentro da cidade, aproximadamente 8 alqueires de terra localizado atualmente no Bairro Santa Terezinha, fundos da Policlínica Pato Branco.
                              Assim que adquiriram o terreno, agregaram na área, vários Bertol, incrementando a serraria por mais uns 20 anos.
                              Posteriormente os Bertol foram constituindo e ampliando famílias.
                              
                              Paixão pelo futebol:
                                Com 15 anos começou a treinar como ponta direita no time do internacional local, a convite do técnico, nosso querido Alindo Cantu.
                              Por volta de 1953 houve um jogo dos Bertol contra os Amadori, e o nosso Victor (já conhecido como Banaque) foi visto jogando, pelo Pedro Ramires de Melo (dirigente do Palmeiras local), que o convidou para jogar no  alvi-verde. 
                             Banaque defendeu por 9 anos a esquadra palmeirense.

                              O futebol e seus caprichos.
                               O time do Internacional foi contratado para jogar na emancipação de Paim Filho – Rio Grande do Sul. 
                              No sábado o time pato-branquense venceu por 4 X 0, do time gaúcho. Victor marcou um gol, mesmo estando de reserva.

                               No domingo, ainda como reserva, entrou no jogo quando estava 1 X 1.
No lugar do Ercilio. 
                               Num lance, tocou a bola para o Geron; este passou para o Baru na ponta esquerda. Baru cruzou de volta para Banaque, que marcou um belo gol deixando  os nossos na frente: 2 X 1 para o inter.
                                 Banaque por gozação, deixou o gramado dizendo “quando eles empatarem novamente me chamem para fazer o desempate”.
                                  Na reserva, foi o salvador do time, marcando no Rio Grande, "o gol mais bonito de sua história”.
                                   Este episódio o deixou famoso em Paim Filho. 
                                   Tempos depois, seu sobrinho Jairo Bertol foi passear em Paim Filho e ao se dizer Bertol,   (famoso sobrenome do tio), logo despertou o coração de uma paimfilhense, que tornou-se esposa de Jairo até hoje, brinca Banaque.

                                     Mais uma de suas memórias futebolísticas:
                                      Pinóquio era um conhecido zagueiro central do Palmeiras nos anos 60.
Banaque jogava na ponta direita. Pinóquio, percebendo as tantas cruzadas de bola rumo ao gol, passou a jogar de centro avante.
                                   Consta que pinóquio ficou careca, de tanto cabecear as bolas, centradas por Banaque.
                                      Assim se fez a lenda de um grande jogador: Victor Bertol, nosso querido Banaque.
                                      *foto de cima do Palmeiras: 1958.
                                      **Foto de Banaque com a escultura e Rudi Bodanese: autor: José Luiz Bet

Nenhum comentário:

Postar um comentário