De Brasília, DF:
Segue o verbete "amigo-da-onça" conforme publiquei no livro "A origem curiosa das palavras". Observe que está na ortografia antiga. Atualmente "amigo da onça" se escreve sem hífen. Lá vai: (Abs.)

Amigo-da-onça
                  O Amigo da Onça foi um personagem desenvolvido pelo chargista Péricles Andrade Maranhão para a revista O Cruzeiro, um dos maiores sucessos editoriais do Brasil. 
                   Péricles publicou sua página, a mais lida da revista, de 1943 até 1961, ano de sua morte. 
                   O personagem nasceu por sugestão do diretor Leão Gondim de Oliveira, que se divertia com o personagem El inimigo del hombre, de uma revista argentina. Gondim queria um tipo bem carioca, esperto, sempre levando a melhor sobre os outros. 
                                Péricles dizia que, para compor o tipo físico do 'herói', inspirou-se em um garçom muito chato do bar onde esboçava suas piadas. Ele sempre se aproximava para saber o que o chargista estava fazendo. Ao descobrir que ele ganhava a vida com aquilo, comentou:
                                "Você ganha dinheiro com esses rabiscos? Puxa, eu queria ter esse vidão!" O nome do personagem, que acabou virando sinônimo de amigo falso, que vive colocando os outros em situações perigosas ou embaraçosas, foi pinçado de uma piada que fazia muito sucesso na época:
                                 Dois caçadores estão conversando.
- O que você faria se estivesse na selva e aparecesse uma onça na sua frente?
- Dava um tiro nela.
- E se você não tivesse uma arma de fogo?
- Furava ela com minha peixeira.
- E se você não tivesse uma peixeira?
- Pegava qualquer coisa, como um grosso pedaço de pau, para me defender.
- E se não encontrasse um pedaço de pau?
- Subia numa árvore.
- E se não tivesse nenhuma árvore perto?
- Saía correndo.
- E se suas pernas ficassem paralisadas pelo medo?
Nisso, o outro perdeu a paciência e explodiu:
- Peraí! Você é meu amigo ou amigo da onça? 

                                                              Ivanir José Bortot (jornalista pato-branquense)

Nenhum comentário:

Postar um comentário