Na cidade juventude tínhamos as mesmas paixões; éramos todos amigos, unidos, solteiros, mesma classe social.

                            Os 70 chegaram. 
                             Avanços na escola, necessidade de vestibular, crise econômica; vida nas grandes cidades.

                            Namoro, casamento, responsabilidades, diferenças financeiras, distâncias...                                                         
                            Amigos se afastaram. Doenças surgiram levando quem admirávamos.

                              Irmãos de juventude não mais se viram.

                             Batem à porta os anos 2000:  turbulências, nova ordem econômica mundial, política partidária. 
                             Chega o personagem Lula criando adeptos e desafetos. Divergindo opiniões.    
                             
                             Em seguida, a era Dilma.

                             Um país dividido na ideologia político-partidária.

                             Porém, os que defendemos e até brigamos, em que nos ouvem ? 
                             Quando conseguimos interferir em seus governos...?
                             Que responsabilidade temos por seus atos...?

                             Caminhos e descaminhos trouxeram a rejeição aos políticos profissionais. 

                             Se nossa verdadeira luta é a vida, trabalho, cidadania, ética, educação, arte e cultura e como defensores da democracia também defendemos a alternância de poder, porque nos afastamos...?

                            
                                                                                grupo@rudibodanese.com.br 


Conclusão:

Qual ia ser o meu fim,
Me dei conta - de repente,
Não vou ficar pra semente,
Mas gosto de andar no mundo,
Me esperavam lá no fundo,

Saí na porta da frente...

*título e versos: Jayme Caetano Braun (RS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário