Década de 50, uma das mais glamourosas e elegantes da história pato-branquense, como no Brasil.

Grande legião de solteiros ou recém casados, movimentavam os salões de baile, exibição de filmes no Cine Avenida, peças de teatro, e torcidas de nosso futebol.

Dalva Zanol (direita da imagem com Antônia Luiza Zanol ao lado) foi uma das estrelas de nossa mocidade.

Nesta foto de 1959 ela foi coroada Madrinha da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Dalva, que despertou incontáveis corações masculinos na época, nunca se casou.
Faleceu em Pato Branco a alguns anos.


*Foto cedida por sua sobrinha Ester Kirchheim Toson.



Ester doou ao Patonauta, 
além de dezenas de fotografias
da época, alguns documentos,
como o discurso datilografado
em 1959, por Dalva Zanol
quando agradeceu o título 
de madrinha da S.E. Palmeiras.


*Dalva terá citação em matéria de memória
do colunista Erlindo Rosa na Revista Ontop 
que circula dia 20/10/2015.

Agradecimento: Jurandir e Selmira Ceni

Um comentário:

Ester Kirchheim Toson disse...

era uma época de sonhos, ilusões, as pessoas viviam como uma grande familia, todos se ajudavam, eram companheiros , havia a amizade verdadeira, cunhada pela dureza de viver numa terra a ser desbravada.O pouco valia muito.

Postar um comentário