"As circunstâncias no mundo mudaram. Fechou-se o caminho. É velha história no Brasil: buscar no chão a riqueza que a inteligência não se preparou para produzir.
 Sempre acaba em lágrimas. 

Só a inteligência salva, casada ou não com a natureza.
 Mesmo quando tudo parece estar bem não estava: a bonança escondia baixa produtividade na economia brasileira. 

Produtividade baixa não é apenas problema econômico. Consignar a maioria dos brasileiros a empregos pouco produtivos significa condená-los a viver vidas pequenas".

                             Roberto Mangabeira Unger, trecho do artigo: Pôr as mãos nas feridas, Jornal Folha de São Paulo 18/10/2015.

                             Nasceu no Rio de Janeiro, 24 de março de 1947. 
                             É um filósofo e teórico social brasileiro. Por duas vezes foi ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República do Brasil.

                            Em 1971, tornou-se um dos mais jovens professores da Universidade Harvard. 
                             Sua obra de filosofia, teoria social e direito é citada por intelectuais do porte de Jurgen Habermas, Richard Rorty, Cui Zhiyuan e Perry Anderson.

Nenhum comentário:

Postar um comentário