Soneto-Manhã gelada

Saudade daquela manhã gelada
Neve cobrindo vales e colinas
A branca nevasca fotografada
Como charmosa e linda menina

     Sessenta e cinco, vinte um de agosto
     Branco como a neve era o pato
     Alegria estampada em cada rosto
     Por ver um pato de neve de fato
A cidade coberta de brancura
A história guarda bela lembrança
Imagens de beleza e formosura

     Raro fenômeno imprevisível
     As fotos preto e branco são lembranças
     Um espetáculo inesquecível

                                                                      Prof. Ivo Expedito Martini

Nenhum comentário:

Postar um comentário