Ester Kirchhein Toson (sentada, primeira na esquerda), escreve para o livro PATO... CONFESSO QUE VIVEMOS, em processo de diagramação com lançamento em breve.

Sobre duas escolas:

"Inicialmente a Escola da Dona Frida onde aquela professora magnífica despertou em nossos espíritos o respeito ao próximo e o civismo. Falava e muito sobre a pátria e sobre o nosso torrão natal. 
Fez surgir o amor pelos colegas e vizinhos, o respeito pelos demais e a paixão por nossa cidade. Despertou em mim a vontade de conhecer outras terras sem jamais esquecer a minha. Falava da Europa como se fosse o quintal vizinho e fez com que a menina filha de um caminhoneiro e de uma lavadeira, sonhasse com Paris.

Depois, continuei os estudos no Educandário Nossa Senhora das Graças com freiras francesas. Fui polida: aprendi etiqueta, comportamento, línguas francesa e inglesa, e uma série de delicadezas como desenho, canto, bordado e literatura. Ali aprendi a identificar e a admirar a Arte mais pura, a verdadeira Arte, que me encanta e me emociona e que me consola nos dias difíceis. O que seria de mim sem isso? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário